PORNO GAY

Conto Erótico – Provocando o Amigo do Meu Irmão

1932371_267552973432819_1405111493852763734_n

Bom, o conto pego no flagra me remeteu a muitas sacanagens que já fiz quando mais novo. Vocês sabem, juventude, hormônios a flor da pele e quando o pau fica duro, o cuzinho pisca, já era!

Na época eu devia ter meus 19 para 20 anos. Sempre fui um cara muito preso, educação cerrada em cima, e de nada adiantou, sempre se dá um jeito. Nessa época comecei a sair mais, claro que tinha que sair com meu irmão mais velho…

Eu brco, de 19 para 20 anos, corpo legal, 1,79 x 78, poucos pelos, cuzinho raspado e pau aparado. Pau branco, de uns 17 pra 18 cm, veiudo e torto para o lado direito, acredito que é porque sempre guardava neste lado.

Sempre curti provocar os caras. Sentir que eles tinham T em mim me deixava louco, e dessa vez não foi diferente… foi com um vizinho, amigo do meu irmão, na época ele deveria ter seus 28 anos. Branco, 1,80 x 82 de músculos, peitoral raspado, pica grossa, deveria ter também seus 19 cm, caminho do pecado, aquela entrada da barriga sarada para a vara (pqp, isso me deixa louco).

Ele sabia qual era a minha, e eu manjava a dele. Sempre que podia provocava ele. Um dia tomando banho de piscina na casa dele, com ele, meu irmão e os amigos e amigas deles, na briga de galo, dentro da piscina, caiu ele e eu como dupla e quando fui subir nas ombro dele, dei uma bela sarrada na bunda dele, eu estava de pau duro de tesão da brincadeira, e ele sentiu que estava duro, até deu uma esquivada depois em um outro momento, eu tive que colocá-lo nos ombros, e propositalmente rocei minha bunda no pau dele, e ele riu, disfarçadamente coloquei a mão para trás e dei uma apertada rápida no pau dele, só pra provocar, mas neste dia nada aconteceu.

Em outro dia qualquer, eu estava na laje daqui de casa e daqui dava pra ver o terreno da casa dele, quando o vi entrando de carro. Ele me viu na garagem, e de dentro do carro ele colocou o pau pra fora e ficou simulando uma punheta, eu disfarçava e olhava para aquela vara, e simulei que estava tocando uma punheta também no terraço…

Mas vamos ao que interessa. Na situação em questão, eu fui à casa dele para entregar uns livros que meu irmão me pediu (na realidade me mandou) e puto lá fui eu. Era fim de tarde. Chegando lá ele me atendeu da varanda de cima da casa e pediu por gentileza que eu subisse com os livros porque ele estava se arrumando para a faculdade. Inocentemente lá fui eu, quando me deparo com aquele macho, forte, peitoral raspado, barba por fazer, sem camisa, de cueca Calvin klein, calça jeans de botão ao invés de ziper, toda aberta, com um belo sorriso e um volume nítido.

Entrei no quarto e falei, tá ae os livros que meu irmão me pediu pra te entregar. Ele logo me respondeu, coloque ali em cima da escrivaninha e assim fiz, quando do nada o LUIS me agarra por trás, me encoxando e fala no meu ouvido: “Ah leke! É hoje que te pego de jeito” e sem deixar tempo deu ter alguma reação, ele me vira, me tasca um beijo, e me apalpa a bunda, sarrando aquele pau duro de encontro ao meu, que a esta altura já estava dando sinal de vida. Era um misto de desejo, tesão, e medo… nem pensei em nada, depois mais tarde vim a saber que o mesmo estava em casa sozinho.

Ele bem safado, foi forçando minha cabeça pra baixo, e colocando o pau pra fora, foi metendo na minha boca: Chupa leke. Chupa seu macho… eu sei que vc gosta de vara, seu putinho… e agarrando minha cabeça começou a fuder minha boca, ora tirava o pau e batia com ele na minha cara, eu então colocava a língua pra fora e ele batia com o pau na minha língua e metia dentro da minha… Vai putinho,… chupa seu macho… não é vara que você queria, é vara que você vai levar…. teve uma hora que ele começou a fuder minha boca e prendeu minha respiração com sua mão segurando meu nariz, fazendo eu engasgar e babar aquela jeba, que estava dura e rígida, batendo na barriga dele…

Ele imediatamente, me agarrou pelos braços me jogou na cama de bruços, puxou meu short com cueca e tudo e deu uma cusparada no meu cuzinho e começou a penetrar seu dedo, me fazendo gemer de tesão… eu com o tesão que estava, empinava minha bundinha branca, fazendo ele penetrar mais ainda com o dedo… e ele: É vara que você quer minha putinha… vai meche gostoso… morde meu dedo com seu cuzinho, seu viadinho… / essas palavras me invadiam, aumentando o tesão, quando fui ver eu estava entregue aquele macho…. sem que eu percebesse naquela loucura, ele pegou uma camisinha da escrivaninha e encapou seu pau, deu umas cusparadas no pau e no meu cuzinho, e eu de bruço, ele puxou meus braços pra trás, mirou a cabeça daquele pau no meu cuzinho e forçou a entrada, me invadindo sem pena / Eu gritei de dor e tesão, ao sentir meu cuzinho sendo preenchido por aquela pau, que agora estava dentro de mim, pulsando, entrando e saindo, enquanto meu cuzinho se retraia mordendo aquela vara / Os movimentos do meu cuzinho deixou o LUIS mais louco, e ele começou a meter fundo, a puxar meus braços e colocar todo seu peso em cima do meu corpo, sentia a parte dos pentelhos deles sarrar minha bunda,… eu gemia, ele gemia,…e falava: q delicia leke… cuzin apertado… q cuzinho quentinho…. dá pro seu macho, minha vadia… e bombava cada vez mais forte…

Era muito tesão,e u comecei a gemer e tentava mexer com meu corpo, pedindo: vai meu macho, mete mais, vai… me fode porra… e gemia e gritava levando aquela rola toda no meu cu…

Não demorou muito, ele tirou o pau do meu cuzinho, me virou de barriga pra cima e tirando a camisinha daquele pau desomungal enfiou na minha boca e fodendo ela, meteu ele o máximo que pode e sentindo seu pau inchar, gozou na minha boca, aquela porra farta e espessa, gemendo e urrando de prazer, e eu com aquele pau crescendo e esguinchando sua porra dentro da minha boca comecei a me punhetar, vindo também ao climax e gozando em cima da minha barriga… aiiiii, que delicia….

Ele saiu de cima de mim, eu me levantei, fui ao banheiro me banhar, ele entrou junto e chegando próximo, me deu um tapa na bunda e rindo falou… vou querer de novo…

*Conto escrito por “Macho Curte Hom”.

One Response

Leave a Reply